quarta-feira, 1 de setembro de 2010

9 coisas sobre mim

1) Quando fui à praia pela primeira vez, eu era bem pequetita, não lembro a idade, mas recordo muito bem do caranguejo que a princípio fiquei com medo, porém ao ver todo mundo comendo, também não resisti.
2) A minha trajetória foi muito engraçada. Eu estudava desde os três aninhos na escola Pequeno Príncipe. À época eu tinha uma melhor amiga, a Aline Melgaço. Um dia ela disse que ia sair da escola e estudar em outro lugar, eu implorei tanto para minha mãe me tirar da escola também, mas no fim das contas fui para a escola Santo Antônio e ela para a Semente do Saber. Eu me arrependi tanto, no início eu era o centro das atenções, teve até uma coleguinha chamada Amanda que falou para a irmã que eu era japonesa (não sei dá onde ela tirou isso). Mas, eu como uma boa menina falei a verdade que era brasileira. Enfim, lembro que nessa época eu brincava de pula corda, queimada ou baliô, elástico, peão, andava de bicicleta pelas ruas, jogava bola e brigava com todos os meninos, era metida a valente e diga-se de passagem bati mais do que apanhei.
3) O primeiro livro que eu li foi aos cinco anos, O Menino que Acendeu as Estrelas. Caramba, foi muito interessante o jeito que escolhi esse livro! A professora Valmira colocou um monte de livros pelo chão e pediu que a gente pegasse o que quisesse, tinha vários livros repetidos, a maioria das meninas escolhiam os que tinham princesa, eu vi o título desse e gostei, só um único exemplar, fui rápida e peguei para mim.
4) Eu nasci e cresci em Euclides da Cunha, cidade baiana. A raiz da minha família é toda da Bahia. A minha infância foi uma das melhores fases da minha vida. Nessa época eu vivia sem grandes responsabilidades, a minha maior preocupação era estudar rápido para ir brincar. E pense que eu era uma criança ativa, danada, uma moleca. Em minha casa não ficava nenhuma secretária, pois todas iam embora por minha causa e o pior que elas diziam a minha mãe que não me aguentavam, então era uma surra e um castigo. A pior travessura que já cometi foi quando fui passar as férias na casa de minha tia Neiza, daí eu peguei pimenta e coloquei nas minhas mãos, depois corri atrás das minhas coleguinhas, não as alcancei, mas depois de um tempo esqueci e passei a minha mão nos olhos, eles incharam e ficaram vermelhos, a minha tia quase teve um troço.
5) Há muitas lembranças da minha época de escolinha. Uma delas foi que eu era apaixonada por um menino da minha turma e coloquei no meu diário um coração e dentro escrevi Meg e Yuri. As meninas roubaram meu diário e viram isso, servir de piada por pelo menos quase o ano inteiro. Antes nós brincávamos sempre juntos, depois ele se afastou e começou a colocar apelido em mim, era coisa de menino mesmo. Ele dizia: “Deus me livre namorar” e eu toda triste. No meio do ano nós sempre dançávamos quadrilha quando ele soube disso não quis mais dançar comigo... rsrsrs...
6) O primeiro disco que eu tive foi da Xuxa, não lembro o nome. O primeiro filme no cinema se eu não me engano ou foi da Xuxa ou foi dos Trapalhões. Quando eu ia ao shopping ver algum filme, antes eu passava na sorveteria e adorava tomar aquele potão de sorvete, eu detonava sozinha. E, quando minha mãe ia ao supermercado e comprava um monte de guloseimas para mim e minhas irmãs (tenho duas irmãs uma de 19 anos e a outra de 20), nós comíamos tudo em questão de segundos. Minha mãe para evitar essa situação escondia as gostosuras da gente, mas quando descobríamos o esconderijo, não sobrava nada para contar a história e minha mãe enlouquecia com tudo isso.
7) A primeira vez que subi no palco eu tinha onze anos, estava na quinta série, tirando, claro, quando aos seis anos declamei uma poesia no dia das mães. Cara, quando subi no palco era para fazer uma apresentação sobre a Guerra de Canudos, as minhas mãos tremiam, meu corpo todo tremia, mas eu fui valente e falei tudinho, pense. Eu nunca vou esquecer e teve um menino irmão de uma colega de classe, o Pedro Henrique, ele ficou tão nervoso que esqueceu a fala. Mas, todo mundo relevou... eu só escutava o povo falando “tadinhos, eles são tão novos”. Depois fui estudar em São Paulo e fiz teatro no Teatro Escola Macunaíma e aos quinze anos atuei na peça teatral Rosa de Cabriúna, interpretei Miosótis, no mesmo ano fiz Antígona, no qual interpretei o papel principal. Aos dezesseis anos fiz A Lira dos Vinte Anos, também interpretei um dos personagens principais, era Diogo mas adaptamos e passou a ser Giovanna, no mesmo ano fiz a peça As Mulheres de Shakespeare, onde interpretei Ofélia. Esse tempo sempre vai ficar guardado na minha memória.
8) Meu primeiro emprego, não sei se chamo de primeiro emprego, mas pode ser de primeira experiência. Na juventude eu era muito mais romântica do que sou, quando tinha quinze anos fui militante estudantil e também entrei no movimento feminista. A questão de gênero sempre fez parte da minha vida, eu defendia meus ideais com tanta força e determinação. Enfim, fui presidente de Grêmio estudantil, no EPAM, a escola em que estudei o ensino médio, fui dirigente da UPES (União Paulista dos Estudantes Secundaristas), também fui dirigente da UBM (União Brasileira de Mulheres) e durante esse período trabalhei na campanha para eleger Lula. Depois de muito tempo, aos 21 anos trabalhei na Caixa Econômica Federal.
9) Eu tenho tanta coisa para falar. Meu Deus, como é bom lembrar os anos que se passaram! Eu sou saudosista e não nego. Adoro lembrar, como diz o ditado “lembrar é reviver”. Bem, lembro também dos trotes de faculdade. Ah, meu primeiro trote não foi na facul, não! Foi no EPAM, os alunos que entravam no 1º ano do colegial sofriam um trote, os veteranos pintavam a gente e faziam pegadinhas. Cara, eu tive que ficar conversando com uma árvore. Hoje, eu dou gargalhadas dessa época. Lembro carinhosamente de Diego Sapata, Adriana, Alex, Márcio, Camila, Marcelo conhecido como Chê, da galera do grêmio Eduardo (ele só pode está estudando em Harvard, era super nerd), Juliana (brigávamos tanto, mas depois fazíamos as pazes), também não posso esquecer da coordenadora pedagógica, um amor de pessoa, Selma, a diretora que era um terror acho que se chamava Regina. Se caso esqueci de alguém mil desculpas, são tantas as pessoas, mas eu lembro de todos com muito carinho.
Depois quando eu for passar as férias na casa dos meus pais selecionarei algumas fotos e postarei aqui mesmo nesse post, pois o meme que eu vi no blog Pensar enlouquece, pense nisso vinha com fotos também, mas é que nesse momento todas as minhas fotografias do passado estão na casa dos meus papis.
P.S.: Esse post é um meme do blog Pensar enlouquece, pense nisso eu vi e adorei e como tudo na vida nada se cria e sim, se copia, quer dizer, se reinventa, também fiz um parecido aqui no meu blog e indico algumas pessoas para dá continuidade ao meme, como: Ilana (onde os peixes voam), Jaqueline (JaqueSou), Renata (Letras saltitantes), Meus instantes, meus momentos, Varal de Ideias e A Monga e a Executiva. Vai dar um meme bem hilário dessa galera. Mas, quem quiser fazer e não foi citado aqui pode ficar à vontade para postar em seus respectivos blogs, mas depois deixe o link aqui.

3 comentários:

disse...

Bah adorei esse meme!!!!

Lindo, lindo!!!

E que maravilha saber mais de ti, das tuas origens, criancinha hiperativa então, heheheheh!!!

Adorei, vou fazer também, pode deixar! Vou programar pra postar ele no dia do meu aniver!!! Bem propicio, néam!

bjoka

Jaquelyne Costa disse...

Amigaaaaaaaaaaa
isso me dá uma preguiça enorme de fazer!!!kkkkkkkkkkkkkkkkkk..........

Beijos

Ilana disse...

hauahuauahuahuaa
Moça, vou tentar me lembrar das coisas e escrever huahuaha

Muito bom saber um pouco mais sobre a senhorita =p

bjuwww

 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios